8 de fevereiro de 2014

CARTA ABERTA AOS CIDADÃOS E AMIGOS HOMOSSEXUAIS


Meus amigos praticantes de sexo homoafetivo, quero aqui expressar meu sincero respeito a vocês por vossa opção sexual; por vossa participação produtiva na sociedade, bem como respeitar todos seus direitos e reconhecê-los asseverando as devidas penalidades previstas na constituição (não na PL 122 – que foi derrubada) a todos os que desrespeitarem, contudo, entendo pelo artigo 5 da constituição a garantia a todo cidadão (inclusive o cidadão cristão, como eu ) o direito a expressão e do culto religioso.

Assim sendo, pela via da democracia constitucionalizada, também temos o direito de discordar e expor nossas críticas.

É natural que haja um embate conflituoso na sociedade, uma vez que ao longo de séculos, ela vem sendo pautada pela ideologia e crença cristãs com relação à configuração e constituição da família por relacionamentos heterossexuais. Também reitero que é sabido que essa resistência social se dá devido ao fato de o foco sobre o assunto em pauta ser relativamente novo nas várias sociedades ao longo da história da humanidade – disso tenho perfeita compreensão.

Também reconheço que o dogmatismo de várias lideranças cristãs (por se desvirtuar das doutrinas e ensinamentos de Jesus Cristo que sempre ensinou a amar o homem, independente de suas práticas, porém adverti-lo das consequências de seus atos), igualmente histórico, tem causado males e repressões à sociedade e impedido certos avanços significativos para a humanidade como um todo ao longo de mais de 2 mil anos de história do cristianismo.

Mas também é inegável a valorosa contribuição à sociedade dada pelo modelo familiar cristão ao longo desses séculos, mesmo que haja a existência de conflitos de gerações e disparidades de ideias, comum a todo ser vivente.

Falando em conflito, confesso que fico indignado e sedento por justiça quando ouço e vejo na mídia notícias sobre agressões a e morte de homossexuais.

Confesso que também fico indignado com a falta de respeito e piadinhas que se faz para denegrir a imagem e a capacidade de vocês – aliás, vejo que a maioria de vocês é muito mais esforçada e inteligente do que boa parte de nós heteros.

Contudo, acredito que a forma com que vocês estão tentando ser vistos e ouvidos na sociedade seja equivocada e provocativa ao ponto de despertarem a manifestação odiosa e resistência dos defensores e ativistas informais e não organizados dos heterossexuais que estão pulverizados na sociedade –isso não é bom para ninguém, sobretudo para as nossas famílias.

A esmagadora maioria dos ativistas gays é provocativa, depedra patrimônios públicos e privados; fere a moral dos conservadores, sobretudo das crianças (o que as leva a sofrer bullying na escola e em outros lugares); fazendo manifestações homoafetivas em locais públicos, tirando a roupa; é depravada no falar e faz questão disso; dá cantadas em héteros de maneira vexatória e se comporta de maneira obcena apenas para chamar a atenção; invade cultos religiosos sabendo de sua ideologia contrária, somente para “causar”. Daqui a pouco vão querer ofender um ministro religioso ao ponto de o forçarem a fazer um casamento homossexual, sob alegação de direito constitucional.

Atrapalham sessão de votação na câmara.....etc.....ISSO É VERDADE E FATO. NÃO SE PODE NEGAR.

De igual modo não concordaria se qualquer ativista, inclusive religioso, fizesse da mesma forma que vocês fazem a fim de reivindicar direitos. Precisamos entender que, antes de termos direitos, também temos deveres, inclusive o de respeitar o nosso próximo e oposto.

Se vocês quiserem, poderão encontrar outras formas de manifestar vossa ideologia e crítica ao sistema de família que já existe a séculos e a certos deputados e pessoas públicas em geral.

Quando eu era pequeno minha mãe sempre ensinava que não se deveria ficar se beijando e agarrando em público: eu namorei em casa gozando do maior respeito por minha atual esposa, e ainda namorada. Esse ensinamento moral e cristão têm sido de grande relevância para a estrutura e unidade de minha família, pois sou casado e tenho um casal de filhos. Veja só, se tal comportamento entre héteros era desrespeitoso naquela época e ainda o é hoje em lugares ditos formais, imagine vocês entre homossexuais em todas as épocas.

Vejo que a sociedade sempre está em evolução, mas não ao ponto do desrespeito e anarquia. E cá entre nós: a esmagadora maioria da sociedade ocidental ainda é cristã e acredita na Bíblia Sagrada como a palavra de Deus e ela, a Bíblia, nunca vai mudar.

Uma ideologia cristã genuína jamais discriminaria e ofenderia um homossexual, contudo, pontua que Jesus ensinou a amar o pecador e a abominar e se afastar do pecado em suas mais variadas formas e materialização, inclusive a prática de sexo com pessoas de sexo igual.

Isso além de ser uma ofensa ao Criador (para os que acreditam em Deus), traz graves consequências à pessoa e à sociedade. Senão vejamos:

Se todos resolverem praticar sexo com pessoas de sexo igual......

• Não haveria procriação e a humanidade seria extinta, podendo-se até usar uma matemática exata para predizermos o fim do mundo;

• Aumentaria em muito o número de doenças e pestes, pois sexo anal (para gays)é comprovadamente danoso à saúde e penetração artificial é igualmente danoso à saúde,provocando feridas no útero, podendo levar ao câncer (se um pênis, dependendo do tamanho o provoca, imagina um objeto que não seja constituído de carne);

• Caso todos optassem apenas pela prática homossexual, provocaria uma crise de identidade coletiva, pois seria contrário à natureza, uma vez que o ser humano naturalmente precisa do sexo oposto –Isso é inato.

• Haveria um índice de assassinato maior entre as mulheres, pois por conta do contraste de personalidade inato tanto a homens quanto a mulheres, há um equilíbrio nas relações de convivência, pois o homem tende a não falar muito a ser menos estressado do que a mulher, justificando a melhor convivência e duração da relação (mesmo assim não nego as cada vez mais crescente mortes de mulheres por homens descontrolados, mas isso é devido a uma crise de identidade masculina e crescente falta de segurança. Seria um assunto para outra conversa) – isso não aconteceria com as mulheres, pois é quase que unanimidade entre as mulheres não gostarem de conviver entre si e preferirem conviver com homens, por causa das disputas, ciúmes e competições pertinentes á elas (eu diria que a homossexualidade daria muito mais certo entre homens do que entre mulheres SE FOSSE APROVADO POR DEUS....rsrssr)– isso por si só justificaria meu argumento sobre o aumento do crescimento de morte entre mulheres.

• Aumentaria o número de mutilações das mulheres e homens, afinal, por que ter seios se eles não servem para amamentar? Não haveria crianças para usá-los......Afinal por que ter o pênis se sou passivo na relação? Repito: isso por si só, seria uma agressão à natureza e ao Criador.

• Ocorreria um desequilíbrio no ecossistema, pois uma vez que os seres humanos optassem pela homossexualidade, devemos pressupor que toda a criação (macho e fêmea) não teria sentido em ser héteros, seguiriam o mesmo destino dos homens, havendo uma exterminação global de todos os gêneros.

Reitero o meu carinho e respeito por vocês e vos convido a refletirem vossas atitudes e modo de reivindicação com relação a esse assunto.

Pr. Ezequias Lourenço,

Pensador Cristão
Pastor na AD Ferreira (Confradesp), 
Diretor de Mídia e Comunicação da Comissão de Estratégias de Evangelismo e Discipulado da CGADB.
Mentor e idealizador do Projeto Semear: Conhecimento & Edificação.
Representante da História da Rua Azusa no Brasil.
Tradutor, Intéprete,Palestrante,Multitemático, Blogueiro e Pregador do Evangelho.

Um comentário:

António Jesus Batalha disse...

Ao passar pela net encontrei seu blog, estive a ver e ler alguma postagens é um bom blog, daqueles que gostamos de visitar, e ficar mais um pouco.
Eu também tenho um blog, Peregrino E servo, se desejar fazer uma visita.
Ficarei radiante se desejar fazer parte dos meus amigos virtuais, saiba que sempre retribuo seguido também o seu blog. Minhas saudações.
Sou António Batalha.